Estudos apontam que o uso de inoculantes para silagem podem melhorar a produção de leite e também diminuir a emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa

A confecção e fornecimento de silagem para as vacas nas fazendas produtoras de leite é um hábito muito antigo e quase indissociável da produção leiteira. Este tipo de alimento pode representar cerca de 50% da dieta dos animais na maioria das fazendas.  Deste modo, é inegável que este alimento e sua qualidade representem posições de extrema importância dentro da viabilidade nutricional e financeira das fazendas. Boas práticas de confecção de silagens geralmente indicam, dentre outras coisas, também o uso de inoculantes bacterianos para auxiliar a boa fermentação do material que será conservado. Entretanto, iniciamos este artigo desafiando o leitor com uma pergunta:

Para se fazer uma boa silagem é realmente necessário o uso de inoculantes bacterianos?

Você já conheceu uma boa silagem em que não foi utilizado inoculante? O inoculante bacteriano consiste em adicionar na forragem a ser conservada, uma quantidade relativamente alta de bactérias com características de fermentação favoráveis a boa conservação da forragem, tais como a produção de ácido lático, ácido propiônico e ácido acético, oriundos da fermentação dos açúcares presentes na forragem, prevenindo o aparecimento de clostrideos e fungos nestas silagens, além de promover uma melhor estabilidade aeróbica da silagem após a abertura do silo.

Muito provavelmente e resposta para a pergunta feita anteriormente será “Não”. Ponto de vista compartilhado pela maioria dos pesquisadores da área de conservação de forragens. Ou seja, para atingirmos valores satisfatórios dos parâmetros massivamente avaliados nas silagens, não há necessidade do uso de inoculantes bacterianos. E muito provavelmente você já conheceu silagens de excelente qualidade que não utilizaram inoculante bacteriano na sua confecção. Mas então, porque usar inoculantes bacterianos se este não é um item necessário para se produzir uma boa silagem?  

Recentemente, o uso de inoculante bacteriano (bactérias homofermentativas e heterofermentativas facultativas – lactic acid bacteria (LAB)) no processo de ensilagens foi apontado através de meta-analise como positivo para a qualidade de silagens de gramineas tropicais, temperadas e leguminosas, sem, contudo, apresentar benefícios para silagens de milho, sorgo e cana de açúcar.

Além disso, também foi apontado redução no número de clostrideos e fungos quando as silagens receberam inoculante bacteriano. Entretanto, a maior surpresa desta avaliação que envolveu a análise de 130 publicações sobre o assunto, entre dados de artigos sobre qualidade de silagens e de desempenho de vacas leiteiras, foi a conclusão de que o uso de inoculante bacteriano (LAB) melhorou a produção de leite para os animais que consumiram silagem inoculada. A inoculação também teve uma tendência semelhante nas concentrações de proteína e gordura do leite.

Pesquisas conduzidas recentemente por pesquisadores da Universidade de São Paulo (Laboratório Qualileite – Marcos Veiga dos Santos e  Laboratório em Pesquisa de Gado de Corte LPGC – Luis Felipe Prada e Silva) que avaliaram,  em silos experimentais, o comportamento fermentativo e a digestibilidade in situ do amido de silagem de grãos de sorgo reidratados com diferentes tamanhos de moagem dos grãos e diferentes tipos de inoculação,  indicaram outro potencial benefício no uso de inoculantes bacterianos no processo de fermentação da silagem. O uso de determinados tipos de inoculante bacteriano causou uma forte redução na produção total de gases durante o processo de fermentação. Levando a maioria dos tratamentos que utilizaram inoculante a produzir quantidades significativamente menores de gases que os tratamentos que não utilizaram nenhum tipo de inoculante.

 

bionexus_fig1_inoculantes

Figura 1 – Efeito do uso de inoculante e do tamanho de partícula sobre a produção total de gases durante 30 dias iniciais de fermentação de silagem de grãos de sorgo reidratados. Controle: sem uso de inoculante; LB: Lactobacillus buchneri (LALSIL AS); PP: Lactobacillus plantarum + Pediococus acidilactici (LALSIL CL); Pplb: Lactobacillus buchneri (50%) + Lactobacillus plantarum (25%) + Pediococus acidilactici (25%) (LALSIL AS + LALSIL CL). Arcari.,et al 2016.

 

Além da produção total de gases, o mesmo estudo avaliou também a concentração de algumas importantes famílias de gases capazes de causar impacto ambiental, tais como efeito estufa e chuvas ácidas, quando liberadas em excesso na atmosfera. Dentre estes, estão gases combustíveis, dentre os quais o principal representante é o metano, CO2 e gás sulfídrico, os quais tiveram suas concentrações substancialmente reduzidas pelo uso de inoculante na maioria dos tratamentos.

 

bionexus_grah_inoculantes

Figura 2 – Efeito do uso do tamanho de partícula e do tipo de inoculante sobre a concentração diária de gases da silagem de grãos de sorgo reidratado. Arcari et al., 2016. (Clique na imagem para ampliar)

 

 Tanto a meta-análise de estudos sobre o uso de inoculante para produção de silagens e o desempenho de vacas  leiteiras quanto aos estudos conduzidos com a silagem de sorgo reidratado são apenas indicativos de que o uso de inoculante bacteriano pode trazer mais benefícios do que aqueles que habitualmente estamos acostumados a mensurar. Ambos os estudos deixam clara a necessidade de que mais trabalhos devem ser conduzidos para determinar as causas que levaram aos efeitos observados. E, embora necessitemos de mais estudos, os dados aqui observados nos remetem a refletir sobre o que realmente é uma silagem de qualidade e quais parâmetros devemos avaliar ou considerar como importantes para alcançarmos os melhores resultados na produção de leite.

 

Referências

André S. Oliveira, Zwi G. Weinberg, Ibukun M. Ogunade, Andres A. P. Cervantes, Kathy G. Arriola, Yun Jiang, Donghyeon Kim, Xujiao Li, Mariana C. M. Gonçalves, Diwakar Vyas and Adegbola T. Adesogan.  Meta-analysis of effects of inoculation with homofermentative and facultative heterofermentative lactic acid bacteria on silage fermentation, aerobic stability, and the performance of dairy cows. J. Dairy Sci. 100:4587–4603. 2017

Marcos André Arcari; Cristian Marlon de Magalhães Rodrigues Martins; Bruna Gomes Alves; Alessandra Modena Orsi; Dannylo Oliveira Souza; Luís Felipe Prada e Silva; Marcos Veiga dos Santos. Impacto do uso de inoculante bacteriano em silagem de grão de sorgo reidratado sobre a produção de gases promotores de chuva ácida e do efeito estufa. IX Simpósio de Pós-Graduação e Pesquisa em Nutrição e Produção Animal-VNP.  2016.

 

Autores convidados

 

Dannylo Oliveira Souza

Médico Veterinário – Doutorando em Nutrição e Produção Animal VNP – FMVZ – USP (LPGC)

 

Cristian Marlon de Magalhães Rodrigues Martins

Zootecnista – Doutorando em Nutrição e Produção Animal VNP – FMVZ – USP (Qualileite)

 

Igor Giacobbo

Graduando do Curso de Medicina Veterinária IMED – Passo Fundo

 

 

Marcos Arcari

Médico Veterinário. Consultor em nutrição e qualidade do leite. Responsável Técnico pelo laboratório LabMast - Passo Fundo/RS

Comments are closed.

×

Olá!

Clique na imagem para falar conosco no Whatsapp ou clique aqui para enviar-nos uma mensagem.

×